ÚLTIMAS SESSÕES DE COMPETITIVAS MARCAM A SEXTA NA 22ª MOSTRA DE TIRADENTES

Dois longas cariocas e um paulista encerram as mostras Aurora e Olhos Livres; na programação de hoje, também será realizado o lançamento do livro “O autor no cinema”, reedição do clássico escrito por Jean-Claude Bernardet

A 22ª Mostra de Tiradentes começa hoje a se despedir da cidade. O evento exibe hoje suas últimas sessões competitivas, com três longas – dois da Mostra Aurora e um da Olhos Livres – na disputa pelos troféus Barroco, que serão entregues na cerimônia de encerramento, no sábado (26 de janeiro).

Um deles é o documentário paulista “A Rosa Azul de Novalis”, que faz sua pré-estreia mundial em Tiradentes antes de ser exibido na seção Fórum do Festival de Berlim, em fevereiro. A produção dos diretores Rodrigo Carneiro e Gustavo Vinagre será exibida às 20h no Cine-Tenda e traz a história de Marcelo, homem de memória inigualável que relembra sua infância e até mesmo suas vidas passadas.

O último filme programado na Aurora deste ano é o carioca “Um Filme de Verão”, que o público pode conferir a partir das 22h, também na Tenda. Primeiro longa da cineasta Jo Serfaty, a ficção lança um olhar sobre o Rio de Janeiro em crise sociopolítica e moral dos dias atuais, por meio do cotidiano de quatro adolescentes buscando escapar dos 40º do verão do último mês de aulas.

Do Rio, também vem o derradeiro concorrente na Mostra Olhos Livres. Exibida às 18h no Cine-Tenda, a ficção “Calypso” é assinada por Lucas Parente (que faz sua estreia na direção de longas) e Rodrigo Lima, diretor de “O Espelho” e montador de produções nacionais aclamadas, como “Arábia”, “A Erva do Rato” e “Beduíno”.

ESCREVENDO O FUTURO DO CINEMA NACIONAL

As atividades formativas desta edição da Mostra de Tiradentes também estão chegando ao fim. Nesta sexta, serão encerradas as quatro oficinas oferecidas para o público juvenil. Amanhã, “Produção” e “Direção para Cinema”, ambas no recorte adulto, fecham os trabalhos em 2019, completando um total de dez modalidades ofertadas e 270 participantes capacitados nas mais diversas áreas do fazer audiovisual.

Entre os destaques deste ano, estiveram o diálogo com as novas tecnologias – várias oficinas propuseram o uso do smartphone como ferramenta na produção cinematográfica – e as diversas atividades de atuação para diferentes faixas etárias. Exemplos são “Documentários em Vídeo Digital”, que preparou os inscritos para o melhor uso do celular no calor da prática documental; e “Dramaturgias do Corpo e Espaço”, que explorou com atores a temática desta edição, “Corpos Adiante”.

Um dos grandes desafios do cinema nacional, porém, continua sendo a qualidade da dramaturgia e dos roteiros. A Mostra de Tiradentes colaborou nesse esforço com “Prática de Roteiro para Cinema”, ministrada pela carioca Renata Mizrahi. “Aqui, a gente trabalha de verdade, com exercícios sobre cada tema proposto, discutindo cada cena, aprendendo um com o outro, ouvindo e melhorando nosso processo de escrita”, explicou a instrutora.

AUTORIA COMPARTILHADA

Às 19h, o Sesc Cine-Lounge recebe o relançamento de “O Autor no Cinema”, clássica obra de Jean-Claude Bernadet atualizada pelo pesquisador Francis Vogner dos Reis. Publicado originalmente em 1994, o livro partia do conceito de “cinema de autor” da crítica francesa dos anos 50 e 60 para falar sobre o cinema brasileiro da época. Com a nova edição, essa reflexão é trazida para a produção nacional dos últimos anos, preenchendo uma lacuna para os estudiosos da área.

O lançamento será acompanhado de uma Roda de Conversa, com presença do autor Francis Vogner dos Reis. O debate vai justapor o conceito de autor ao grande tema de Tiradentes em 2019, o corpo, seu pendor político e social, presença e infinitude. Também participam da mesa os cineastas Cristiano Burlan e Dellani Lima. A mediação será do curador de curtas Pedro Maciel Guimarães.

Quem continuar no Lounge da Tenda vai poder conferir, à 0h30, a performance audiovisual e musical do Loquàz + Video Makino. Duo eletrônico desenvolvido pelos produtores Fumaça e Ana Assis, o Loquàz parte de influências que passam pelo rap, trip-hop e chill. Os dois mineiros misturam composições em inglês com um swing tupiniquim nas faixas de seu primeiro álbum, intitulado “Fluido”.

POVOS SOB AMEAÇA

Antes disso, a sexta ainda oferece na tela retratos de culturas e povos ameaçados no atual contexto sociopolítico brasileiro. Às 15h, o Cine-Teatro Sesi recebe a Sessão Debate de “Corpo Quilombo”, dentro da Mostra Corpos Adiantes. A ficção do diretor Leonel Costa acompanha três grupos de personagens em situações diversas, refletindo sobre os desejos, mudanças dúvidas e expectativas em um país onde o futuro da juventude negra é uma incógnita.

Mais tarde, às 21h, é a vez da produção paulista “Para’í” levar ao Cine-Praça a saga do povo Guarani no interior de São Paulo. Longa de estreia do diretor Vinícius Toro, o filme acompanha a pequena Pará, garota que vive na menor terra indígena do país e entra em contato com a cultura de seu povo por meio de uma espiga de milho tradicional, que ela nunca havia visto antes.

Ambas as sessões serão seguidas de bate-papo sobre os filmes, mediadas pelos curadores de longa desta edição: Lila Foster, no caso de “Corpo Quilombo”; e Cleber Eduardo, no caso de “Para’í”.

Os debates também rolam pela manhã. Às 10h, no Cine-Teatro Sesi, Francis Vogner dos Reis analisa “Parque Oeste”, exibido na noite de quinta na Mostra Olhos Livres, sob mediação de Camila Vieira. Na sequência, é a vez dos dois longas da Aurora na noite anterior: primeiro, “Desvio”, às 11h15, com comentários do goiano Fabrício Cordeiro; e encerrando os trabalhos, às 12h30, o mineiro Ewerton Belico conversa com realizadores e público sobre o paraibano “Vermelha”.

Completando a programação, curtas de quatro cantos do país – Bahia, Pernambuco, Amazonas e São Paulo – encerram as sessões da Mostra Panorama no Cine-Tenda, às 16h30.

SOBRE O EVENTO
22ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES

PLATAFORMA DE LANÇAMENTO DO CINEMA BRASILEIRO

Considerada a maior manifestação do cinema brasileiro contemporâneo em formação, reflexão, exibição e difusão. Busca refletir e debater, em edições anuais, o que há de mais destacado e promissor na nova produção audiovisual brasileira, em longas e curtas, em qualquer gênero e em formato digital. A programação é oferecida gratuitamente ao público e inclui exibição de filmes brasileiros (longas e curtas), pré-estreias, homenagens, debates, encontros com a crítica, o diretor e o público, oficinas, seminário, mostrinha de Cinema, atrações artísticas.

TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO.

 Serviço
 22ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES | 18 a 26 de janeiro de 2019 

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA

Patrocínio:  TAESA, KINEA/Itaú, CSN, CBMM, CEMIG, COPASA|GOVERNO DE MINAS GERAIS

Parceria Cultural: SESC em Minas

Fomento: CODEMGE|GOVERNO DE MINAS GERAIS

Apoio: ACADEMIA INTERNACIONAL DE CINEMA, SESI FIEMG, OI, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, TRES, WALS CERVEJA ARTE, MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES, SENAC, CINEMA DO BRASIL, DOT, MISTIKA, CTAV, NAYMAR, CINECOLOR, GLOBO MINAS, CANAL BRASIL, EMBAIXADA DA FRANÇA, ETC FILMES, NOVA ERA SILICON, POLÍCIA MILITAR, PREFEITURA DE TIRADENTE E CENTRO CULTURAL AIMORÉS.

Incentivo: SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA| MINAS GERAIS

Idealização e realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DA CIDADANIA | GOVERNO FEDERAL

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO EVENTO

Centro Cultural Sesiminas Yves Alves   

Largo das Fôrras 

Largo da Rodoviária

Escola Estadual Basílio da Gama