CORPOS ADIANTE: PERFORMATIVIDADE E CORPO-FICÇÃO NO CINEMA

Em uma sociedade marcada pelo projeto colonial e patriarcal e em um tempo atravessado por disputas narrativas, o que cabe a um filme? Posições de gênero, classe, raça e sexualidade ao longo da história são criadas e agenciadas performativamente com e na linguagem, em discursividades difundidas em vários campos de saber. Ficções de poder e pertencimento são naturalizadas, essencializadas e reproduzidas, massivamente, nas narrativas hegemônicas. Reforçam hierarquias e pertenças, hegemonias e subalternidades. Criam corpos-ficções. E o cinema, como linguagem, integra um conjunto de enunciações que servem à reiteração de projetos de poder.O que podem propor – com o cinema e sobretudo para o cinema – os sujeitos que se entendem como corpos-ficções?

  • Amaranta César – professora, pesquisadora e curadora | BA
  • Cíntia Guedes – professora-performer | MG
  • Leda Maria Martins – poeta, ensaísta e dramaturga | MG

 Mediadora: Tatiana Carvalho Costa – curadora | MG

Programação

26/01 | sábado - 15h30

Cine Teatro SESI