‘Não vamos perder a energia’, diz cineasta Paula Gaitán, homenageada em Tiradentes

Testemunho dos últimos momentos de Glauber Rocha, “Diário de Sintra” é também um registro da vida no exílio e uma discussão complexa sobre a formação da memória. No documentário lançado em 2008, a diretora Paula Gaitán testemunha os próprios afetos ao direcionar sua câmera para o marido e sua rotina na portuguesa Sintra. Interessava a Paula e interessava ao cinema aquelas imagens tão cheias de sentimento. O mesmo movimento repete-se na dezena de produções da cineasta, cujo último trabalho é “Ostinato”, no qual investiga a criação do músico paulista Arrigo Barnabé.