FILM WITH ENGLISH SUBTITLES

Ela conseguiu salvar do incêndio uma pilha de fotografias e um diário com frases escritas à mão. Estas palavras e rostos são os únicos rastros deixados pelo homem que ela um dia conheceu e amou. Cruzando montanhas e estradas, ela tenta refazer os passos dele. Os lugares que ela visita carregam pessoas, gestos, lembranças e histórias que, pouco a pouco, se tornam parte de sua vida.


Disponível: de 00h00 do dia dia 23/01 até 23h59 do dia 30/01

Classificação: 14 anos

Direção, roteiro, edição: Paula Gaitán

Festivais e Prêmios
> Melhor Filme de Longa-metragem e Melhor Design de Som no Festival de Brasília do
Cinema Brasileiro (Brasil)
> Mostra Internacional de São Paulo (Brasil)

 

Críticas:

“A tela escura e uma voz feminina nos conta de um diário encontrado no incêndio. Em seus últimos escritos, o autor daquelas linhas já se limitava a convocar trechos de outras vozes, pertencentes a outras vidas. O que essa mulher lê – e que encerra essa espécie de prólogo – é um diálogo retirado de “O Estrangeiro”, de Albert Camus. Nele, alguém pergunta sobre como o interlocutor gostaria que fosse uma outra vida possível, ao que este responde algo como: “uma vida em que eu pudesse me lembrar desta aqui”. Exilados do Vulcão retomará alguns dos leitmotivs da carreira de Paula Gaitán, presentes em filmes como Diário de Sintra (2007) ou Vida (2008) – a relação com a memória; a conjuração das fotografias; a força dos poemas –, mas o gesto desse filme singular consistirá em inaugurar uma sensibilidade, em produzir um modo radicalmente distinto de articular esses elementos e, nesse movimento, engendrar um outro espectador”.
Laura Erber, Cinetica (2013)

 

Reviews:

“In Exiles of the Volcano everything changes from a movement of the eye or a change of light. The fluidity of the passage between present and past, objective reality and the inner world, corresponds to the fluidity of the camera’s movement through spaces – and the fluidity of space itself. Transitional states predominate, even among the four elements: mist (fusion of water and air), dust (air and earth) and smoke (fire and air)”.
Jose Geraldo Couto(blog IMS)Instituto Moreira Salles

“Exiles from the Volcano” makes movement a dance between the camera’s eye and the density of space; of the body, a poem in an unknown language”.
Victor Guimarães /RevistaCinética /2013

“Exiles from the Volcano” is drawn in memory at the time of the screen, composed by a chronological interpolation, by the superposition of the past, the present and the future. […] With its narrative power of a contagious poetry “Exiles from the Volcano” consecrates the creative force of Paula Gaitán”.
Rodrigo Fonseca /Estado de Sao Paulo