Chico César / Foto: José de Holanda

Chico César, nasceu em 26 de janeiro de 1964, no município de Catolé do Rocha, interior da Paraíba. Compositor, cantor, jornalista e escritor, Chico explicita a irreverência, a criatividade e a poética, características de sua obra ao longo de sua trajetória.

Autor de sucessos consagrados pelo público, como “Mama África” e “À Primeira Vista”, o paraibano tem nove álbuns lançados: “Aos Vivos” (1995), “Cuscuz Clã” (1996), “Beleza Mano” (1997), “Mama Mundi” (2000), ” Respeitem os meus cabelos brancos” (2002), “De uns tempos pra cá” (2005), “Francisco, Forró Y Frevo” (2008), “Estado de Poesia” (2015) e “O Amor é um Ato Revolucionário” (2019).

Com uma carreira repleta de canções e referências a poesia, desde 1996 Chico César viaja com a sua banda pelo Brasil e afora. Suas composições foram gravadas por vários intérpretes, entre eles Maria Bethânia, Gal Costa, Vanessa da Mata, Elba Ramalho, Itamar Assumpção, Zeca Baleiro, entre outros. Já recebeu diversos prêmios como Revelação do Prêmio Sharp (1995) e Melhor Compositor pela APCA (1996), Grammy de Melhor Performance Vocal Pop Masculina (2001) e Prêmio da Música Brasileira – categoria Melhor Álbum POP/ Rock/ Reggae/ Hip Hop/ Funk (2018).

Uma bela e inspirada trilha sonora da adaptação para o teatro de “A Hora da Estrela”, romance de Clarice Lispector, ganha a assinatura de Chico, em 2020. Essa não é a primeira experiência do cantautor com trilhas de peças teatrais. No ano de 2017, o artista fez as músicas de “Suassuna – O auto do reino do sol, numa parceria com Alfredo Del- Penho, Beto Lemos, e colaboração de Bráulio Tavares.

Chico César acaba de lançar a canção “Nada”. O single intimista foi composto em casa, durante a pandemia do novo coronavírus e está disponível em todas as plataformas de streaming.

O artista desafia a saudade e aponta a distância como um estímulo que pode ser vibrante e cheio de calor humano, nestes tempos de coronavírus.