Diversão e engajamento na Mostra Praça

Com ficções leves para assistir em família, narrativas divertidas para curtir e documentários com questões sociais importantes, a Mostra Praça apresenta produções diversificadas que apelam para uma relação mais direta com um público mais amplo. Nesta edição da Mostra de Cinema de Tiradentes, 13 curtas-metragens aparecem distribuídos em três sessões.

CURTAS NA PRAÇA | Série 1

Na primeira sessão, a produção paulista Primeiro Carnaval, de Alan Medina, é uma ficção curtinha sobre uma criança que celebra sua primeira festa de carnaval, sob o olhar livre dos pais. O documentário carioca Quarta: dia de jogo, de Clara Henriques e Luiza França, percorre as ruas do Rio de Janeiro, de São Gonçalo e de Niterói para buscar personagens que preferem outras formas de diversão nas tradicionais noites de jogo de futebol. Na zona rural de Caruaru, em Pernambuco, mulheres trabalham com costura em domicílio como forma de sobrevivência em meio à seca, no documentário Pega-se facção, de Thaís Braga. O curta potiguar Casa com parede, de Dênia Cruz, registra a história de luta de mulheres, homens e crianças do assentamento 8 de Março, criado em 2013. Considerado a 12a ocupação urbana de Natal, no Rio Grande do Norte, o território foi destruído por um incêndio em 2017. O documentário alagoano Ainda te amo demais, de Flávia Correia, aborda a cena cultural do reggae em Maceió, a partir de depoimentos, fotografias e imagens em VHS. Encerrando a Mostra Praça 1, o curta recupera a memória dos tradicionais festivais nas praias de Maceió e os relatos de pesquisadores, DJs e cantores, como Luana do Reggae.

CURTAS NA PRAÇA | Série 2

Em São Paulo, um entregador de aplicativo almeja um futuro melhor enquanto sobrevive com seu trabalho precarizado e enfrenta o racismo cotidiano, na ficção Você tem olhos tristes, de Diogo Leite, que abre a sessão 2. A atriz paraibana Marcélia Cartaxo interpreta a vizinha da confeiteira que a convida para provar sobremesas na ficção agridoce paranaense Ela que mora no andar de cima, de Amarildo Martins. Do Amazonas, a ficção O barco e o rio, de Bernardo Ale, mostra o embate entre duas irmãs que herdaram uma embarcação para sustento da família em uma comunidade de pescadores. O curta conta com a participação da atriz Isabela Catão, que também está no elenco de Enterrado no quintal, que integra a programação da Mostra Panorama. Para encerrar a Mostra Praça 2, O documentário pernambucano Rebu é um ensaio da realizadora Mayara Santana que, em primeira pessoa, narra sobre sua vivência lésbica em meio a diferentes performances de masculinidade, como a de seu próprio pai.

CURTAS NA PRAÇA | Série 3

Nas ruas de Salvador, dois irmãos pequenos desejam uma bola de futebol em uma aventura durante a tradicional festa popular do Senhor do Bonfim, no curta ficcional baiano 5 fitas, de Heraldo de Deus e Vilma Martins, que abre a terceira sessão da Mostra Praça. A relação afetiva de vários personagens com a última transmissão de uma emissora de rádio em Brasília é o mote da ficção Rádio Capital Alvorada, de Rafael Stadniki. O documentário cearense Noite de seresta, de Sávio Fernandes e Muniz Filho, é contagiado pela energia de Katia Blander, uma mulher que adora cantar e dançar em bailes de karaokês. Ela interage com o público com sua forma singular de interpretar músicas de serestas românticas. Encerrando a última sessão, a animação gaúcha Magnética, de Marco Arruda, é uma ficção científica com personagens curiosos em uma pequena cidade invadida por uma aparição holográfica de outro mundo.

Assinam o texto:
Camila Vieira
Felipe André Silva
Tatiana Carvalho Costa
Curadores